quarta-feira, outubro 26, 2005

A Cor e o Património


A princípio pode parecer descabido mas é urgente e necessário harmonizar a paleta cromática com que se pintam os edifícios de maior antiguidade ou valor patrimonial e optar pelo original ou o mais parecido possível.
Cores políticas à parte o caso que me despertou atenção foi precisamente o edifício da candidatura do PS à autarquia Silvense, mas este não é único, pois existem muitos pelo concelho fora.
Chamo desde já à atenção as colorações que os próprios organismos gestores do Património Edificado em Portugal dão aos edifícios históricos, veja-se o exemplo da “febre amarela”, que surgiu nos últimos anos em edifícios que comprovadamente usariam cores mais comuns como o branco da cal ou o ocre.
Assiste-se um pouco por todo o concelho de Silves à pintura indiscriminada de pequenas casas ditas “tradicionais” de rosa ou amarelo ou ainda outras, quando estas originalmente eram simplesmente caiadas de branco. É claro que existem sempre excepções e surgem edifícios de outras cores nos quais sou sempre defensor da preservação da cor original.
Existem, felizmente, algumas autarquias que começam a demonstrar a sua preocupação no campo da cor no interior dos centros históricos ou edifícios de interesse patrimonial.
Não pretendo com este artigo criticar duramente, mas sim alertar e chamar a atenção para este aspecto por vezes esquecido mas de grande importância para a nossa identidade cultural.
Foto gentilmente cedida por Manuel Castelo Ramos, o edíficio da foto já foi falado em http://sacodosdesabafos.blogspot.com/